Santiago do Chile, um caso de amor

A Vitorinha (Vitória Paiva), jornalista que trabalha comigo, voltou do Chile recentemente de uma viagem que fez junto com sua mãe. Como sou apaixonada por este país andino, encomendei logo uma matéria com as novidades para os leitores do Viajando com Puny.
Os posts escritos pela Vitória, aqui no blog, são sempre um sucesso! Por isso confira as experiências dela em Santiago do Chile na matéria abaixo: 

Por: Vitória Paiva

Posso dizer que depois dessa viagem voltei apaixonada, ou viciada, por Santiago. Enquanto a população chilena tem inveja das nossas belezas naturais, podemos admitir um pouco ou muita inveja boa da Cordilheira dos Andes, uma enorme cadeia montanhosa com aproximadamente oito mil quilômetros de extensão. Chegando ao território, podemos enxergar facilmente a Cordilheira. É uma emoção sem fim. Algo muito bonito de apreciar em meio à “tensão” que alguns sofrem dentro do avião.

Uma dica que eu dou para quem visitará Santiago é participar do grupo “Santiago do Chile para turistas brasileiros” no Facebook. Neste grupo, turistas, moradores e guias de turismo dão sugestões do que fazer, informações sobre a situação das estações de ski, entre outras coisas, diariamente. É uma troca de experiências que ajuda bastante durante o planejamento e estadia na cidade.

Aeroporto – Hotel

Chegando ao Chile, no Aeroporto Internacional Comodoro Arturo Merino Benítez, uma pequena passada pelo Duty Free (preços parecidos com os do Brasil) e, depois, hora de pegar as malas na esteira. Em seguida, um transfer para o hotel nos aguardava na saída do terminal. O transfer comprei aqui na agência no Brasil mesmo, com a empresa Seasons Travel. Eles atrasaram um pouco para chegar, mas deu tudo certo, tanto na chegada quanto na hora de pegar o voo de volta.

Mas, uma dica que dou para quem prefere traslado, é o Transvip, um transfer compartilhado, que te deixa na porta do hotel. Outra opção que encontrei, na internet, foi o Turbus ou Centropuerto. O ponto do ônibus é logo na saída e o valor é pago ao próprio motorista. Ambos passam por algumas estações do metrô, como Los Héroes e Pajaritos.

O caminho do aeroporto até o centro é meio feio. Quando eu vi fiquei desanimada pensando “poxa, será que a cidade é feia assim? O que eu vim fazer aqui, meu Deus?”. Ia perguntar ao rapaz do transfer, mas fiquei sem graça. Chegando mais no centro, próximo ao hotel em que fiquei, o Hotel Majestic, vi que a cidade era melhor, bem bonita por sinal. Um alívio, Ufa!

Hotel Majestic

Sobre o hotel que fiquei, segue minha avaliação feita para o Tripadvisor:
“Fiquei no hotel em julho e gostei da experiência. É tudo bonitinho e arrumado. TV tem vários canais. O café da manhã tem muitas opções, entre pão sírio, rocambole, bolo, frutas (adorei!)... É muito gostoso.

Mas poderiam trocar a cortina dos quartos e do banheiro*, que já estão feias e isso desvaloriza o ambiente. Não gostei do chuveiro do banheiro, que saía pouca água.

O wi-fi também precisa de um upgrade, já que não funciona em todos os quartos. Tive que pegar sinal no corredor muitas vezes...

O hotel possui um restaurante indiano, mas não fui lá. Disseram-me que é bom.

No geral, o melhor do hotel é a localização. O Majestic fica no centro da cidade, próximo de uma estação de metrô, a Sant'Ana, o que facilita para visitar os lugares”. No mais, considerei a equipe do hotel beeem atenciosa e prestativa. Eles nos ajudaram com as malas e dicas do que fazer na cidade. Neste hotel também tinha uma agência que nos ajudou a fazer os passeios.

*O pior do hotel para mim foi o fato de o chuveiro não ter um vidro em volta e sim uma cortina de plástico, daquelas que se deixar grudam no corpo. Mas acho que isso é comum lá pelo que vi de outros hotéis.

Transporte no Chile

Metrô - Consegui me locomover durante toda a minha estadia de metrô. É bem fácil vendo o mapa. Além disso, como o povo do Chile é bem receptivo, os trabalhadores do metrô estão sempre prontos para ajudar. No site do metrô você pode fazer uma simulação de viagem, o que também pode facilitar bastante.

Não usei ônibus nem táxi. Por isso, não posso opinar.

Curiosidade sobre os Ônibus – uma curiosidade bem legal que um cidadão me contou foi que parte dos ônibus de Santiago foram feitos/são oriundos de Curitiba.

Alimentação

Não sou fresca para comida. Em casa como de tudo um pouco. Claro que há coisas que não gosto de comer. Como sou fã de um arrozinho e feijão, já sabia que viajar para o exterior significaria nostalgia da boa comida brasileira.

Para mim a comida do Chile é estranha, cá entre nós. Além da centolla, tipo um caranguejo grande, que você encontra no Mercado Municipal (não comi porque não sou fã), há o pollo com purê/papas fritas. Pollo significa frango. Mas não é só o peito do frango como vemos aqui, eles pegam uma parte cheia de nervos. O que me deixou com os nervos a flor da pele! Além disso, o tempero não ajuda muito. Há também empanadas nos estabelecimentos, mas comi uma e não achei tão boa comparada às espanadas argentinas.

Mas para quem é tradicional e não gosta mesmo de nada, há opções como redes de fastfoods. Mas não se prenda a isso, arrisque novos sabores. Quem sabe você não gosta?

Atrações turísticas

Santiago é cercado de belas atrações que atraem inúmeros turistas. Selecionei algumas que fui e valem a pena.

City tour (também feito pela Seasons Travel): o passeio foi entre pontos turísticos como Plaza de Armas, Cerro Santa Lucia, Museu Nacional de Belas Artes, Biblioteca Nacional, Palácio de La Moneda (onde acontece a troca da guarda, quase diariamente), Igreja de San Francisco... Passando pelo bairro nobre Las Condes e o boêmio Bellavista, que tem um pátio com restaurantes e barzinhos ótimos para uma noite – o Patio Bellavista. O bom do city tour é que você conhece um pouco da história dos lugares.

• visitar o Cerro San Cristóbal é parada obrigatória. Na parte baixa você pega um bondinho, o funicular, e sobe até o cerro, podendo parar no Zoológico Nacional do Chile, onde tem o urso polar, lhama, hipopótamo, etc. Vá bem cedo, principalmente em alta temporada. As filas ficam enormes. Abre às 10h, se não me falha a memória, e cheguei por volta desse horário, já que era julho (além dos turistas na fila, havia os habitantes que têm o costume de sair com toda a família). Não demorei dez minutos e subi para o cerro, que tem 880 metros de altura.

• No cerro há a imagem da Virgen de la Inmaculada Concepción e o Santuário de la Inmaculada Concepción. É um lugar bem religioso, no geral. De lá se tem uma vista ampla e maravilhosa para as Cordilheiras e para toda a cidade de Santiago.

• Fomos também ao “Parque de las esculturas”, que fica na Providencia, às margens do rio Mapocho (um rio que quando tem neve fica vazio, mas quando ela derrete, se enche com as águas da neve. Abastece a cidade com suas águas. Muito interessante). Neste parque há cerca de 30 obras de vários formatos, tamanhos e texturas de artistas chilenos consagrados. É um bom local para reunir a família e relaxar.

Compras

O Shopping Costanera também é legal para quem gosta de compras. Lá existem lojas como H&M, Adidas e grifes como Ellus e Armani Xchange. Além de contar com redes de fast foods como Domino’s Pizza, Mc Donald’s, Bob’s, Burger King.

Outras Informações:

• O sol no inverno nasce bem mais tarde, por volta das 7h e pouca.
• O comércio só abre a partir das 10h.
• Os chilenos são pessoas muito família. Eles estão sempre em passeios juntos e têm mais de dois filhos, no mínimo. (Não generalizando, mas a maioria que vi tinha mais de dois filhos).
• A menor nota do Chile é a de $1.000,00 pesos, que equivale a cerca de R$6,00. Não ache que é muita coisa.

Leia sobre diversos outros destinos no Chile clicando aqui

Comentários

  1. Lindas postagens com lindas fotos. Ótimo roteiro de viagem. Saudações literárias!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bruna! Que bom ver você aqui pelo blog. Qualquer hora encomendaremos um post sobre BH. Bjs, saudações literárias, Adriana

      Excluir
  2. Olá! Vc gostou do passeio com a season travel? tem poucos post sobre eles e quando entro em contato por e-mail não me respondem e ainda no wts, não estão sendo muito esclarecedores.

    Agradeço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Edlaine, eu gostei sim. Olha eu recomendo que vc ligue para o Hotel Majestic, onde fiquei e achei essa empresa. Porque fora isso, não sei como você pode entrar em contato. Entrei no site e vi que estava um pouco desatualizado... talvez eles tenham encerrado as atividades. Boa sorte!

      Excluir

Postar um comentário

O que você achou desta matéria? Compartilhe aqui sua experiência com outros leitores!

Postagens mais visitadas deste blog

Campos do Jordão, a cidade mais alta do Brasil

O que fazer em Mambucaba - passamos o Ano Novo por lá!

Visitando Quebec, Canadá