Bate-volta de Paris à Luxemburgo

Por: Adriana Aguiar Ribeiro
Uma viagem feita em Maio de 2019

Visitar Luxemburgo era um sonho antigo. Mas o país estava sempre fora dos nossos caminhos. Até que começamos a pensar em fazer um bate-volta, partindo de um país vizinho. E ao descobrir que desde Paris poderia ser viável, iniciamos o planejamento desta viagem. 
Após algumas pesquisas sobre distância, transporte, qual cidade visitar e o que fazer por lá, concluímos que um bate-volta até a cidade e capital Luxemburgo seria o mais interessante para conhecer do país.

Contarei nesta matéria como foi a viagem até lá e as impressões que ficamos do lugar.

Como ir

Acordamos bem cedo no dia da viagem, saindo do hotel com destino a estação Gare D'lest em Paris.

Compramos pela internet, com a TGV INOUI, passagens em 2ª Classe com destino a Luxembourg para o trem das 8h13min. Um trem sem conexões que cobriu o trecho em 2h19min, chegando em Luxemburgo Gare Centrale às 10h32min. Compramos os bilhetes de retorno para às 18h46min tendo, portanto, 8h14min disponíveis para conhecer a cidade.
Um dia em Luxemburgo: uma forma de conhecer um pouco do país
Não é o mesmo que passar dois ou três dias no lugar. Mas, para início de conversa, é uma boa forma de conhecer um pouco do país e poder tecer algum comentário!


Não deixe de levar seu passaporte, já que você vai sair de um país para outro. Não precisamos dele em nenhum momento, mas saber que ele estava a mão, se precisássemos, foi uma tranquilidade!
Charme a medida que se aproxima do centro histórico
Em Luxemburgo

A ideia inicial era em Gare Centrale pegar um ônibus até Centre Gruef (Centro Histórico), mas como estava um dia agradável e a distância a percorrer a pé até lá é de 1,4km, decidimos caminhar. 

Não nos arrependemos, já que o caminho tem início na parte mais comercial da cidade e vai ganhando charme a medida que se aproxima de Centre Gruef com seus imponentes prédios antigos. 

O comércio local é atraente e a cidade é bem arrumada e fácil de caminhar até chegar ao centro histórico.
Cidade em festa em celebração a Perigrinação Anual de Nossa Senhora de Luxemburgo. Praça da Constituição.
Por sorte encontramos a cidade bem festiva por conta das celebrações da Peregrinação Anual em honra a Nossa Senhora de Luxemburgo, padroeira da cidade.

Embora seja um estado laico, grande parte da população do país, que tem quase meio milhão de habitantes, é católica. 

Centre Gruef estava repleta de barracas de comidas regionais, brinquedos infantis e muita animação. 

Curiosidade: Luxemburgo é um pequeno país que faz divisa com Bélgica, França e Alemanha. É preciso olhar com atenção o mapa da Europa, para encontrá-lo. Independente disso tem uma economia altamente desenvolvida. É uma democracia representativa parlamentar com um grão-duque como monarca constitucional. Curiosamente, o único grão-ducado ainda existente.

O que conseguimos ver em Centre Gruef - parte alta (Ville Haute), em nossa visita de um dia?
Gëlle Fra: homenagem aos que morreram na Primeira Guerra. Praça da Constituição
Memorial "Gëlle Fra"

Na Praça da Constituição, a Dama Dourada está erguida desde 1923 em homenagem àqueles que morreram na Primeira Guerra Mundial. 

O memorial é representado por um figura feminina dourada sobre um obelisco de pedra, que simboliza a liberdade e resistência do povo luxemburguês. 

Ponte Adolphe

Ao lado do Memorial "Gëlle Fra" você tem uma boa vista para a Ponte Adolphe, também conhecida como Ponte Nova. 

Foi erguida entre 1900 e 1903. 
Ponte Adolphe vista desde a Praça da Constituição
Ficamos curiosos por ver a ponte que suscitou grande interesse dos países estrangeiros devido a ter, na época da sua construção, o maior arco de pedra em todo o mundo.

Catedral Notre Dame de Luxemburgo

Esta igreja católica teve sua base construída em 1613 e é um exemplo da antiga arquitetura gótica, apesar de ter elementos e adornos da arquitetura renascentista. Seu interior conta com bonitos vitrais por trás do altar. 

Foi consagrada como Igreja de Nossa Senhora, sendo elevada em torno de 1870 à Catedral de Notre-Dame, pelo Papa Pio IX.
Catedral de Notre-Dame: interior decorado com bonitos vitrais
Palácio Grand Ducal

O Palácio é a residência oficial do Grão-Duque de Luxemburgo desde o ano de 1890. Está localizado na parte alta da cidade histórica. 

É possível visitar seu interior, apesar de termos optado por seguir em frente.

Aberto diariamente das 10h às 11h45min / 14h às 17h45min

Preço: adulto 10 euros / criança 5 euros
Palácio Grão Ducal: residência oficial do Grão-Duque de Luxemburgo. Aberto para visitação.
Daqui seguimos caminhando por ruas sinuosas entre altos e baixos  até chegar a  Le Chemin de La Corniche.

Le Chemin de La Corniche

Devido a linda vista este caminho ganhou o título de "a varanda mais bonita da Europa". 

Desde a Casamata de Bock até o Elevador, proporciona uma incrível vista do vale de Alzette com a Cidade Baixa aos seus pés. 

A fascinação é tamanha que o tempo para as fotos e apreciação dispensada às paisagens foi bem longo. 
Le Chemin de La Corniche: bonitas vistas da cidade baixa
Lemos que pode-se descer através de escadas que foram niveladas, facilitando o acesso dos pedestres até a Cidade Baixa. Mas devido as minhas limitações da coluna, preferimos caminhar até o elevador que também é uma bela atração. 

Casamata Bock e Cripta Arqueológica

Em 963, o Conde Siegfried adquiriu o Bock e arredores, através de uma troca de de terras. Ali construiu um castelo e foi a partir do local onde estavam as celas dos prisioneiros, que teve origem a Casamata Bock. 

Datada de 1644, a construção dos primeiros túneis dava início ao que se transformaria na Casamata Bock, que chegou a contar com 23 quilômetros de galerias subterrâneas. 
Casamata Bock: túneis originários de celas do castelo do Conde Siegfried
Após a desativação da fortaleza, 17 quilômetros da casamata foram mantidos em boas condições, estando uma parte aberta ao público para visitação. 

A cidade de Luxemburgo tem um longo histórico de arquitetura militar e passou por vários domínios ao longo da sua existência.

Por isso, a influência de engenheiros italianos, belgas, espanhóis, franceses, austríacos, holandeses e prussianos, pode ser vista na construção de suas fortalezas, que são merecidamente Patrimônio Mundial da UNESCO, desde 1994. 
Entrada Casamata Bock
Aberta diariamente de 1 de Março a 8 de Novembro 

Horário: 10h às 17h

Preço: adulto 7 euros / criança (4 a 12 anos) 3.50 euros / até 4 anos: grátis

Elevador Pfaffenthal 

Acessamos a Cidade Baixa - Grund - pelo elevador Pfaffenthal. É um elevador panorâmico, com piso de vidro que proporciona uma bonita vista da cidade. Tem acesso gratuito. 
Elevador Pfaffenthal: panorâmico e de vidro, com emoção e bonita vista da cidade baixa
Nossa intenção era almoçar no Restaurante Madeira (português), que fica quase em frente ao elevador, em Grund. Mas chegamos pouco depois das 14h e já estava fechando (isso é normal na Europa - reabrem para jantar). 

Por isso, almoçamos em um restaurante ao lado que ainda servia o menu do dia (uma combinação de pratos já prontos). 

Tínhamos programado também pegar um ônibus e dar uma volta pela Cidade Baixa. Mas, melhor que isso, tivemos a agradável surpresa de encontrar um carro autônomo (anda por conta própria, sem motorista) em teste, que nos levou para uma volta gratuita. 

Foi uma experiência inovadora. Coisa que imaginamos que, em alguns anos, será banal.
Carro autônomo: experiência inovadora
Nosso retorno para Paris, marcado para às 18h46min, nos permitiu tempo de sobra para visitar a cidade. 

Optamos, por motivos pessoais, não entrar na Casamata. Mas teria dado tempo para fazer a visita, caso desejássemos. 

Chegando na Gare Centrale de Luxemburgo, gastamos um tempo aguardando até o horário de saída do trem para Paris.

Ao lado da Gare Centrale de Luxemburgo, no retorno, visitamos a Boulangerie Paul, aberta desde 1889, servindo produtos de excelente qualidade que, soubemos, agradam até ao Grão-Duque e sua família!
Boulangerie Paul: guloseimas e qualidade que agrada a Família Real
A padaria é digna de apreciar. Seus balcões contém inúmeras guloseimas de encher os olhos. Claro que não podíamos deixar de comprar ali um lanchinho para a viagem de volta. Afinal, viajar de trem sem fazer uma refeição a bordo, seria atípico. 

Idiomas oficiais de Luxemburgo: alemão, francês e luxemburguês

Moeda: Euro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Campos do Jordão, a cidade mais alta do Brasil

O que fazer em Mambucaba - passamos o Ano Novo por lá!

Visitando Quebec, Canadá