sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Villefranche de navio – Riviera Francesa




Grande parte dos navios de cruzeiros que chegam à região de Nice e Mônaco ancora em Villefranche, uma pequena vila praiana localizada entre ambos os destinos.  

Por não ter porto de atracação de navios em Villefranche, é necessária a utilização de um barco auxiliar para levar os passageiros do navio para terra. Por isso, nosso desembarque bem cedo, às sete horas da manhã, foi essencial para conseguirmos cumprir um roteiro bem extenso, que incluiu Èze, Mônaco e Nice. O nosso navio ancorou às sete horas da manhã e zarpou às 19 horas. Para não perder tempo, tomamos um café da manhã reforçado e fizemos apenas um rápido lanche neste desembarque.


O que deu para conhecer?


Com muito planejamento conseguimos visitar Èze Village, aonde chegamos tão cedo que a encontramos completamente vazia. Isto permitiu fotos lindas, sem bandos de turistas (pois Europa é assim atualmente: os destinos estão sempre lotados!). E aproveitamos a beleza da luz dourada da manhã, tão típica da Riviera Francesa. A desvantagem foi encontrar o Jardim Exótique fechado ainda.

Dali, pegamos táxi direto para Montecarlo, onde gastamos um par de horas batendo pernas pela cidade. E conseguimos um tuk tuk grátis (obrigada meninos!!) para a estação de trem de Montecarlo. Apesar da greve, o trem EC estava funcionando, então seguimos direto para Nice, desembarcando na Gare de Nice Ville. Da estação fizemos uma agradável caminhada até o Passeio dos Ingleses (Promenade des Anglais) e andamos também pela Vieille Ville (centro histórico), que tem forte influência italiana e é repleto de bons restaurantes, lojinhas e até um mercado de rua, no dia da nossa visita. 
Doca em Villefranche

Retornamos ao navio de táxi. Foi o meio mais fácil de chegar rápido ao porto, com tempo para embarcar (lembrando que usamos barco auxiliar). Bem tranquilo, pois deu para almoçar no navio e retornar por alguns minutos aos arredores da doca em Villefranche. 

Dica: antes de fazer a viagem, não atentamos que Villefranche seria outro lugar bonito a explorar. Só conseguimos andar perto do porto, onde tem um pequeno comércio, restaurantes, hotéis e uma feirinha de artesanato. Focamos em conhecer os destinos de Èze, Nice e Mônaco, por serem mais famosos. Por isso, ficou a vontade de retornar a região para, com tempo, conhecer melhor as praias lindas da Riviera Francesa.
Villefranche

Conclusão: foi tudo muito rápido, mas deu para conhecer de modo satisfatório os destinos que desejávamos. 

Como fizemos?


Nossa ideia inicial era ir até Nice para de lá pegar um ônibus com destino a Mônaco, com parada em Èze (para entender vá até o fim do texto e leia Imprevistos Acontecem). E de Mônaco, retornar até Nice para explorar a cidade à medida que o tempo permitisse. 
Villefranche

Na prática, descobrimos que se não tivéssemos utilizado táxi para ir até Èze e de lá até Montecarlo e depois um táxi desde Nice até o porto, talvez o tempo que tivemos desembarcados não teria sido suficiente para conhecer tudo que desejávamos. 

Devido à greve não conseguimos realizar as paradas de trem na Basse Corniche. Tínhamos pesquisado na internet que uma passagem de trem Mônaco-Nice pela Express Régionaux (o trem da EC não para nas praias!!) daria direito a parar em qualquer estação entre as duas cidades. Nossa intenção era descer em Cap d’ail  e em Èze-sur-mere. Este trem para também em Villefranche, que parece ser a mais ampla das praias, e de onde poderíamos pegar um táxi até o porto. Nas pesquisas tínhamos lido que a frequência deste trem seria de 30 minutos e que o trajeto total duraria 20 minutos. Mas com a greve, apenas o trem da EC estava funcionando e foi o que pegamos: de Montecarlo direto para Nice.
A Riviera Francesa

Imprevistos acontecem:


Muitas pesquisas foram feitas para a realização de um bate e volta para Mônaco ocorrer com sucesso. E de todas as informações colhidas, decidimos na ida sair da Praça Garibaldi, em Nice – pegando o ônibus 82 ou o 112, com destino a Montecarlo - e descer em frente ao Centro de Informações Turísticas de Èze Village (Moyenne Corniche). Após visitar Èze Village, pegaríamos o mesmo ônibus em direção a Montecarlo, onde pararíamos para conhecer o principado. 

Na volta a intenção era ir a Gare de Mônaco – Montecarlo e pegar um trem da Express Regionáux com destino a Gare de Nice (não pegar trem da EC, pois este não para nas praias) e fazer mais uma parada em Èze-Sur-Mer, uma das praias da Basse Corniche (Cap-d’ail, Èze-Sur-Mer, Beaulieau e Villefranche). E dali, prosseguiríamos para a Gare de Nice, onde desembarcaríamos para ir a pé até a Promenade dês Anglaises.
Basse Corniche

Mas, desembarcando em Nice-Villefranche nos deparamos com uma greve de transportes. Sorte que nossa equipe tem hábito de desembarcar muito cedo, para aproveitar ao máximo o tempo. Encontramos um porto semi-deserto e tivemos a sorte de encontrar logo um táxi que nos levou até Èze Village. E dali outro táxi até Montecarlo. Para isso tivemos que desembolsar mais do que o programado para esta etapa da viagem. Na volta, o trem estava retornando o funcionamento, mas de modo ainda precário. Somente o trem da EC estava funcionando. Por isso, não conseguimos parar em Èze-Sur-Mer, como programado. Tivemos que seguir direto para a Gare de Nice. Foi tudo mais difícil, pois tivemos que reprogramar a viagem. Por isso é importante estar sempre preparado para os imprevistos. Eles podem acontecer e nessas horas o melhor é relaxar, aceitar as mudanças impostas, para continuar curtindo sua viagem. 

Clique abaixo para conhecer as impressões que ficaram de cada lugar:

Nice

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou desta matéria? Compartilhe aqui sua experiência com outros leitores!