sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Santorini de navio - visita à Fira e Oía


Viagem em Outubro/2019

Navegar pelas ilhas gregas é sonho de muitos. Com razão, pois trata-se de um lugar com uma magia especial. E foi em um cruzeiro de navio que desembarcamos na ilha de Santorini (Tira, em grego ou Tera, na Antiguidade), com a intenção de descobrir novos mistérios. 

O Raphsody of the Seas ancorou às sete da manhã ao lado da Caldera, que se trata da cratera do vulcão que originou o arquipélago de Santorini

Desde o restaurante do navio, durante o café, já pudemos ver detalhes como o mar azul, rodeado de rochedos com casinhas brancas no topo. A vista dá a impressão de montes nevados. A cor das casas, explicam, é um costume local para repelir o calor. Os tetos ovalados, uma prevenção contra os terremotos. 

Detalhes da região de Fira. Desembarque em navio

Desembarcamos cedo, cientes das enormes filas que poderíamos pegar tanto no barco auxiliar (ancorados precisamos de um barco para nos levar à terra) como, principalmente, na subida do teleférico que liga o cais do porto até a cidade de Fira

                           Leia aqui sobre o roteiro deste cruzeiro de 7 noites

Há outro meio de chegar lá em cima: pela trilha de escadas, onde você pode subir a pé, ou no lombo de um burrico. Por motivos particulares, preferi não me arriscar a explorar os pobres bichos. Poderia optar por ir a pé, mas não me animei diante do esforço de escalar tantos degraus e por ter ouvido falar que o perigo maior é ser atropelado por uma tropa ou escorregar nos excrementos dos bichos. 

Subida em teleférico, vista bonita

Essa trilha é muito utilizada para o transporte de mercadorias que chegam no porto e são carregada no lombo de burros até Fira, no alto.

Enfim, paga-se seis euros por cada trecho de subida ou descida de teleférico, ganha-se a vantagem de uma vista espetacular e uma viagem rápida e confortável. Mas muita gente opta pela trilha dos burricos, que é uma boa alternativa para jovens e aqueles que desejam fazer uma economia extra na viagem. 

Tão logo chegamos em Fira, buscamos ônibus para ir para Oía, charmosa vila das fotos

Chegando em Fira, optamos por buscar logo o ponto de ônibus públicos para viajar até Oía. A viagem custa 1,80 Euro por trecho e um ônibus com conforto médio leva dezenas de turistas (em pé e sentados) por estrada sinuosa, durante uns 15 quilômetros, até o outro lado da ilha. Os ônibus vão e voltam em embarques com intervalos aproximado de 15 minutos, ou até encher o ônibus. 

Conforme pesquisas prévias, essa foi uma das opções mais viáveis e bem econômica, que recomendamos para você. A menos que prefira gastar um pouco mais contratando uma excursão do navio ou um táxi para rodar pela ilha.

Bougainvilles, uma das marcas registradas de Oía

Oía

A oportunidade de conhecer Oía foi imperdível. Este lado da ilha de Santorini é extremamente charmoso, com dezenas de ruelas exclusivas para pedestres, costeando a belíssima orla do mar. Sua paisagem com as típicas casas brancas contrastando com o azul do céu e mar é salpicada pelo colorido dos bougainvilles, apoiados sobre as construções.

Grande parte dos estabelecimentos tem varandas debruçadas sobre o Mar Egeu. Isso permite ao visitante observar aquela tão familiar paisagem das casinhas brancas despencando sobre a praia, típicas da ilha de Santorini

Construções despencando sobre o mar
O comércio local se aproveita do movimento forte dos turistas para expor uma arte predominantemente azul e branca, cor característica dos artefatos produzidos na ilha. Claro que há artigos de todas as cores, mas há quem prefira as peças anis, que sempre lembrarão o céu e o mar de um lugar fantástico como Tira.

Predominância de artigos em azul e branco

Fizemos uma parada técnica em um dos inúmeros restaurantes debruçados sobre a estonteante costa: o Terpsi N Oía, um bistrô bem charmoso! Não só para apreciar a vista de sua varanda, mas também para descansar, tomar um café, ir ao banheiro e experimentar uma delícia da gastronomia local. 

Sempre pesquiso algo especial a experimentar em cada lugar onde vamos. Tinha lido em um blog que a Mussaka é uma deliciosa sobremesa local. Pedi, toda empolgada, para descobrir que a famosa Mussaka Grega é um bolo de batata com berinjela e carne moída. Uma cilada, pois após um café da manhã tão farto do navio é difícil ter apetite. Mas para quem está com fome e aprecia berinjela e carne moída, pode ser uma boa refeição. 

Mussaka no Terpsi N Oia
Andamos bastante por Oía, indo pela rua principal e descendo pela rua paralela, mais residencial, até retornar a praça onde chegam e partem ônibus para Fira.

Na viagem de vinda o marido veio em pé, na volta conseguimos ir sentados, o que foi bem mais confortável, devido a estrada ser muito sinuosa.

Fira

Chegando em Fira ainda tivemos bastante tempo para percorrer a cidade, já que o navio zarparia às dezessete horas. 

Fira: do centrinho à beira-mar

Andamos pelo centro comercial, uma área mais popular por onde trafegam veículos e em seguida fomos para a rua exclusiva para pedestres, que fica de frente para o mar. Desta rua tem-se a maravilhosa vista das casinhas brancas e do mar. Aqui fica uma quantidade de lojinhas voltadas para turistas, alguns restaurantes e bons hotéis. 

Caminhando por ali encontramos a Catedral do Nosso Senhor, uma igreja ortodoxa com belíssimo interior. Como em outras igrejas que vimos em Kotor, nossa última parada, nesta também não há bancos. 

Devido a sua localização entre um comércio com movimento frenético, restaurantes e hotéis voltados para o mar, você precisará prestar bastante atenção para encontrá-la, até porque sua entrada é simples e não dá pistas da riqueza do seu interior. 

Hotéis, restaurantes e Catedral do Nosso Senhor, na orla de Fira

Após alguns passeios pela cidade, seguimos para a estação do teleférico que nos levaria de volta até o cais do porto. De lá pegaríamos o barco auxiliar de volta ao Raphsody of the Seas, da Royal Caribbean

Encontramos o local com uma fila bem longa. E ainda era cedo. Por isso, quando estiver viajando em cruzeiro, tenha em mente que você deve ser bem organizado para estar no navio antes do horário final para o embarque de passageiros. Pois o navio sairá na hora e não vai esperar por ninguém. Perder um embarque pode ser um grande contratempo em sua viagem!

Chegada ao cais do porto com tempo de sobra para pegar o barco auxiliar

Pegamos o barco auxiliar com tempo de folga para almoçar e ainda curtir  o convés do navio. Seu local de ancoragem, um lugar bem peculiar, ao lado da Caldera, permitia uma vista esplendorosa da ilha de Santorini!

Outros lugares: em Oía, você pode descer até Baía de Amoudi. Pode pegar um táxi em Fira até a Praia de Kamari, que fica a uns 9 quilômetros.

Moeda local: Euro

Clique aqui para ler sobre a viagem de 43 dias pela Europa, na íntegra!

Assista abaixo aos filmes produzidos pela equipe do Viajando com Puny em visita a Fira e Oía, em Santorini!


Caso não consiga abrir o vídeo pelo mobile, vá ao fim desta página e acesse a matéria no modo "visualizar versão para web".

Leia aqui o roteiro completo desta viagem de 43 dias pela Europa.

Leia o livro Vivendo Bem com o que Você tem, de minha autoria, e aprenda como administrar as finanças, de modo que sobre uma parte de suas economias para você poder viajar.
Vivendo bem com o que Você tem não vai torná-lo um indivíduo rico, mas vai ajudá-lo a administrar suas finanças no dia a dia, controlando suas despesas nos momentos de bonança ou escassez.


Deixe abaixo seu comentário ou dúvidas que poderão ajudar outros leitores!

2 comentários:

  1. Charmosas as cidades de firo e Oiã
    Bem gregas ,bem aconchegantes ,floridas..
    Uma visita maravilhosa
    E com o conforto de poder voltar ao hotel flutuante ao final do posseio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Marina! Um lugar muito especial! Obrigada pelo seu comentário!!

      Excluir

O que você achou desta matéria? Compartilhe aqui sua experiência com outros leitores!