quarta-feira, 5 de agosto de 2020

Roteiro 4 noites em Viena, Áustria

Viagem em Outubro/2019

Hoje contaremos um pouco do que ver e fazer ficando quatro noites em Viena, cidade onde morou a amiga Aninha, que tanto me estimulou em conhecer a capital da Áustria ! 
Vista do Palácio Belvedere superior e jardim
Gosto em viagens é uma coisa muito pessoal mas, se você tem pouco tempo para organizar o seu roteiro, talvez possa aproveitar as dicas sugeridas aqui para curtir ao máximo sua visita à cidade.

Chegamos de trem à Estação Central de Viena (Hauptbahnhof), Áustria, provenientes de Praga, na República Tcheca. Foram aproximadamente quatro horas de viagem, o que de trem na Europa é um tempo bem curto!
ibis Wien Hauptbahnhof

Fizemos uma opção de hotel bem acertada. O ibis Wien Hauptbahnhof, um hotel novo, situado em uma área revitalizada e localizado em frente a Estação de Trem Central de Viena (Hauptbahnhof)
Ibis Wien Hauptbahnhof: café da manhã variado
As dependências do hotel são bonitas e modernas, o quarto confortável e o café da manhã bem variado!

O hotel faz parte da Rede Accor, uma vantagem para os afiliados do All Accor Live Limitless. Reservamos metade das diárias utilizando pontos do programa. Outra parte pagamos cash. Teve um valor acessível, contando que Viena é uma cidade cara. 

Uma dica: sempre escolhemos hotéis na rede baseados nas avaliações do Trip Advisor. não reservamos hotéis que pontuem menos de 4 bolinhas no Trip Advisor. Isso tem nos assegurado hospedagens bastante positivas!
Ibis Wien Hauptbahnhof: hotel novo e dependências modernas

Sobre Viena

Viena, capital da Áustria, é uma cidade grande, muito elegante, com uma população de quase 1,9 milhão de habitantes.

Sua importância política é grande, já que aqui ficam várias organizações internacionais, sendo as mais conhecidas a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), uma das quatro sedes da Organização das Nações Unidas (ONU) e a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA).
Viena: cidade elegante e sofisticada
Além disso, seu Centro Histórico caracterizado como o local de reinado dos Habsburgos e o Palácio de Schönbrunn, são reconhecidos como Patrimônio da Humanidade, pela UNESCO.
 
Viena é uma cidade que mantém um padrão de elevada qualidade de vida. Oferece uma vasta gama de opções culturais, principalmente no tocante a música e a arquitetura. 

É famosa também por ter sido moradia de compositores clássicos como Mozart, Schubert, Vivaldi, Beethoven, Strauss, entre muitos outros.
Cidade atrai cerca de 12 milhões de turistas por ano
Não é a toa que a cidade atrai mais de 12 milhões de turistas por ano. 

É difícil falar sobre capitais deste porte. Por isso, recomendamos que você assista ao vídeo produzido pela equipe do Viajando com Puny (abaixo), para ir se familiarizando com esta maravilhosa cidade.
Caso não consiga abrir o vídeo pelo mobile, vá ao fim desta página e acesse a matéria no modo "visualizar versão para web".
Transporte Público em Viena

Sobre transporte público em Viena, operado pela Wiener Linien: na época da viagem o preço médio do bilhete de transporte era de 2,40 Euros. 

Mas existem os bilhetes de temporada, disponíveis para 24h, 48h ou 72h. 

Optamos por, a cada dia, adquirir por 8 Euros o bilhete 24h, que pode ser utilizado em quantas viagens desejar, em bondes, ônibus ou metrô, durante 24h.
Não esqueça de validar seu bilhete de temporada antes da primeira utilização. Faça isso dentro das estações de metrô ou dentro do ônibus ou bonde que você iniciar suas viagens
Atenção: validar o bilhete na primeira utilização. 

Pode ser comprado pela internet (neste caso o bilhete é intransferível) ou  adquirido no Centro ao Cliente ou em uma loja Wiener Linien (fáceis de encontrar nas estações de metrô e trem), pessoalmente. Neste caso o bilhete é transferível, podendo ser utilizado por outra pessoa. 
Almoço no Cyclist: comida saudável próxima a estação Hauptbahnhof

Roteiro de 4 noites em Viena

Dia 1

Chegamos à cidade aproximadamente às 13 horas. Saímos para almoçar no Cyclist (450 metros do hotel) - comida saudável, e fomos caminhando até o Palácio Belvedere, que fica bem próximo ao hotel. 

Palácio Belvedere (Schloss Belvedere)

O Palácio Belvedere, que em italiano significa Bela Vista, é um dos cartões postais de Viena. Encanta já à primeira vista pela sua bela arquitetura barroca e o cuidado extremo dos seus jardins, inspirados em Versalhes, na França
Belvedere Superior (esquerda) e Belvedere Inferior (direita)
Construído como residência de verão do príncipe Eugene de Savoy, o palácio está dividido em duas partes: Belvedere Inferior (1716) e Belvedere Superior (1723), separados pelos jardins. 

O caminho entre os dois palácios proporciona detalhes maravilhosos como fontes, cascatas, ninfas e deusas, além claro, de uma diversidade de flores e arbustos.

Desde a Primeira Guerra Mundial, o Belvedere também funciona como museu, abrigando coleções magníficas, incluindo várias obras do pintor austríaco Gustav Klimt, como O Beijo (1907).
Belvedere Inferior, jardim e O Beijo, do pintor austríaco Gustav Klimt
A entrada para os museus é paga e os jardins são gratuitos. Para saber mais entre no site  do Belvedere.

Ao lado do Palácio Belvedere fica o Heldendenkmal.

Heldendenkmal der Roten Armee

O monumento foi construído durante a ocupação militar Soviética em Viena, em 1945, em memória aos seus soldados mortos em combate aos nazistas, nos anos anteriores. 
Heldendenkmal: memorial da Segunda Guerra Mundial
Caminhamos daqui até Karlskirche.

Igreja de São Carlos - Karlskirche

A construção da igreja foi pagamento de uma promessa. Durante a epidemia da peste negra, em 1713, o imperador Carlos VI prometeu erguer um templo dedicado a São Carlos Borromeu, padroeiro na luta contra a peste, quando a cidade se visse livre da doença. 
Karlskirche: Igreja de São Carlos de Borromeu
A obra foi um processo lento, terminando 25 anos depois. Seu exterior tem como destaque as duas colunas inspiradas na Coluna de Trajano de Roma.

Seu interior, pudemos observar em uma segunda visita à igreja, quando fomos assistir a um concerto de violino clássico. Uma experiência mágica, que aliou um belo espetáculo a um exuberante cenário: o bonito teto pintado representa a Apoteose de São Carlos Borromeu e todo interior da igreja é ricamente ornamentado em dourado.
Interior rico de Karlskirche
Não menos bela é Karlplatz, a praça com lago onde está localizada Karlskirche, muito usada como local de descanso e contemplação.
 
Concerto na igreja de São Carlos

Nesta mesma tarde adquirimos, ao lado da igreja, ingressos para um concerto de violino clássico, com músicas de Vivaldi, Beethoven, Schubert e Mozart - The Four Seasons. Os ingressos podem ser adquiridos também pela internet. É um espetáculo que, sem dúvida, recomendamos! 

À noite pegamos um metrô até a praça da igreja. É bem seguro utilizar transporte público em Viena durante a noite. 
Vista noturna da Igreja de São Carlos

Dia 2

No segundo dia em Viena, aproveitando a proximidade, fizemos um bate-volta até Bratislava, capital da Eslováquia.

Foi um passeio de dia inteiro que valeu muito a pena!

Assista abaixo um vídeo contando detalhes desta aventura.
Caso não consiga abrir o vídeo pelo mobile, vá ao fim desta página e acesse a matéria no modo "visualizar versão para web".
Dia 3

Burgartten

No terceiro dia, após o café da manhã, pegamos um tram (bonde) e descemos em Burgartten, um bonito parque bem central, onde fica o Mozart Denkmal, que é um monumento dedicado ao compositor Wolfgang Amadeus Mozart.

Ali, em meio ao jardim elaborado, está uma estátua em mármore de Mozart, bem como outros detalhes que reportam a vida do compositor.
Burgartten: Mozart e outros detalhes
Após um rápido passeio pelos jardins, seguimos para o Mercado Naschmarkt, passando pela magnífica Ópera de Viena.

Ópera Estatal de Viena

Em estilo neo-renascentista, o elegante teatro teve sua obra concluída em 1869, sendo inaugurado com a ópera Don Giovanni de Mozart.

O prédio sofreu com bombardeios da Segunda Guerra Mundial e incêndios, mas todos os danos foram recuperados.
Ópera de Viena: destino certo dos ônibus de turistas
A Ópera de Viena está ligada a Filarmônica de Viena e é uma das companhias que mais produz espetáculos por ano, gerando mais de mil empregos. 

Caminhamos por pouco mais de três quadras e paramos para visitar Naschmarkt.

Naschmarkt

Tínhamos ouvido falar muito bem deste mercado que existe desde o Século XVI e, como amamos mercados, não pudemos deixar de ir até lá. 
Naschmarkt: frios, doces, embutidos, frutas, verduras, roupas, etc.
Um dos melhores mercados que já visitamos! No Naschmarkt você encontra praticamente todo tipo de alimento, desde frutas, verduras e legumes frescos, até pães, carnes, queijos, embutidos, chás especiais, grãos de todo tipo, doces, etc. 

Além disso, no mercado há uma grande variedade de restaurantes e cafés, desde os mais sofisticados até outros com ambiente muito descolado. 

Lamentamos não ter ido lá na hora do almoço, pois há uma fantástica variedade de cozinhas internacionais, distribuídas pelos restaurantes.
Parada estratégica para repor energias!
Para não perder o hábito, fizemos uma parada estratégica em um dos cafés, para um pequeno lanche, água e toalete. 

O mercado é extenso e tem também algumas barracas com artigos de casa e decoração, suvenires e roupas. 

Se mercado é o seu forte, esta visita não pode faltar no seu roteiro!
Naschmarkt: grande variedade de produtos
Refeitos, retornamos para os lados da Ópera de Viena, dando uma passada pelo Palácio Albertina

Palácio Albertina

Inaugurada em 1776, a Galeria Albertina é um museu de arte dedicado à preservação e divulgação de uma importante coleção de artes gráficas, com obras de Monet, Klimt, Cezanne, Matisse, Chagall, Picasso, entre outros.

Poder admirar o bonito prédio do palácio, com arquitetura neoclássica, já foi gratificante. Não tivemos tempo de visitar o museu, mas subimos suas escadas laterais para acessar o terraço que proporciona uma bonita vista da área central, próxima a muitos atrativos turísticos, restaurantes e cafés, tudo em edificações muito sofisticadas. 
Palácio Albertina
Em frente ao Palácio Albertina fica o Café Mozart, localizado no prédio do Hotel Sacher. No café do hotel você tem oportunidade de degustar a verdadeira torta Sacher de chocolate. A mesma que tivemos a oportunidade de degustar na cidade austríaca de Salzburgo, local de nascimento de Mozart.

Bem próximo ao Palácio Albertina fica o Palácio Imperial de Hofburg, mas deixamos a visita ao Palácio Imperial para o dia seguinte.

Seguimos a pé em direção a Catedral de São Estevão.
Como já era hora do almoço e estava em nossos planos, fizemos uma parada intencional no Café Frauenhuber.

Café Frauenhuber

Em funcionamento desde 1824, o Café Frauenhuber é o café mais antigo de Viena. 

É famoso também por ter sido palco de apresentações dos compositores Mozart e Beethoven, no Século XVIII.

Foi uma ótima escolha para o almoço, já que não é um local cheio de turistas. O ambiente é autêntico e austero, e nos pareceu que seus garçons fazem parte do quadro funcional desde sempre. 
Cafe Frauenhuber: almoço gostoso e bom atendimento
Fomos muito bem atendidos, optando por saladas, sopas e, de sobremesa, apfelstrudel (torta de maça) com café. 

Refeitos, seguimos caminhando até Stephansplatz

Catedral de São Estevão 

Localizada em Stephansplatz, pode ser vista de longe, pela sua grandiosidade e o encantamento dos seus telhados coloridos.
Catedral de São Estevão: avistada de longe pela sua grandiosidade e telhados coloridos
Seu atual prédio, em estilo gótico, foi renovado entre 1304 e 1433, no local da antiga catedral do Século XII. Seu interior amplo segue uma tendência barroca. Todo o conjunto é um deleite para amantes de arquitetura. 

Aqui casou-se Mozart. Mais uma vez, temos um ícone da cidade intimamente ligado à vida do compositor. 

Ao fim da visita seguimos direto para o hotel, pegando o metrô na estação Stephansplatz.
Interior da catedral com tendência barroca
Preço entrada: gratuito

Noite de ópera

À noite pegamos o metrô até a Kammeroper, um dos muitos teatros de Viena, desta vez para assistir a Ópera Fausto
Kammeroper, para assistir a ópera de Fausto
Ingressos: adquiridos previamente pela internet. 

O que vestir na ópera: sempre lia na internet sobre as exigências do que vestir nos concertos e espetáculos em Viena. Não gostamos de destoar muito dos locais. Mas viajando como uma mala leve (8,5 quilos), vestimos o que foi possível: o marido usou calça jeans, camisa social e sapato. Eu usei vestido e sapatilha. Não destoamos da maioria, muito pelo contrário! Enfim, respeitamos a etiqueta local, dentro das nossas possibilidades.

Dia 4

O quarto dia na cidade amanheceu chuvoso o que, para quem gosta de turistar a pé, pode atrapalhar um pouco. Nosso roteiro tinha como objetivo uma visita ao Palácio Imperial de Hofburg e o Palácio de Schönbrunn.
Palácio Hofburg em um dia chuvoso próprio para visitar os museus
Pegamos um bonde (tram) até o Palácio Hofburg, que fica bem no centro da cidade.

Palácio Imperial Hofburg

Gastamos quase três horas durante nossa visita ao complexo do Palácio Imperial de Hofburg. Por isso, este roteiro foi positivo para um dia chuvoso. 
Detalhes das dependências do palácio
O Palácio de Hofburg é um grandioso palácio localizado bem no centro de Viena. O início de suas obras datam do Século XIII e foram continuamente realizadas em eternas ampliações até o início do Século XX. 

Foi a residência de inverno oficial e centro do poder dos Habsburgo, soberanos do Ducado da Áustria entre 1278 e 1918. 

Neste palácio nasceram Maria Antonieta (Rainha Consorte da França), em 1755 e também a arquiduquesa Leopoldina da Áustria (Primeira Imperatriz do Brasil), em 1797.
O palácio em um dia ensolarado
O objetivo da visita ao Palácio de Hofburg foi  conhecer os Apartamentos Imperiais (kaiserappartements), o Museu Sisi e a Prataria da Corte

Com um ingresso único você pode visitar todo o conjunto. Na entrada fornecem áudio guia, sem opção em português, mas se você não fala alemão, poderá optar por inglês, espanhol, italiano, francês, entre outros idiomas. 

Preço do ingresso: 15 euros por adulto
A exposição da Prataria da Corte exibe desde utensílios de cozinha, aparelhos de chá, aparelhos de jantar, até toalhas de mesa, guardanapos e outros objetos utilizados nos eventos da realeza

Prataria da corte 

A visita, além de permitir a apreciação de uma coleção muito rica, detalhada e bonita, conta através dos objetos um pouco da história dos Habsburgo. 

Neste setor ficam expostos objetos em prata, ouro, porcelana, tecidos, como utensílios de cozinha, toalhas de mesa, aparelhos de chá, de jantar, adornos decorativos e muito mais. 

Durante séculos, além de cumprirem seu papel específico em jantares, cerimônias e na rotina da corte, os objetos também  serviram como moeda de troca em guerras, dotes em matrimônios e até mesmo foram derretidos permitindo o cunho de moedas em períodos de necessidades.

Com o fim da monarquia dos Habsburgo, os objetos da prataria da corte passaram a ser propriedade da República da Áustria.
Museu Sisi: detalhes da vida da imperatriz

Museu Sisi

A visita ao Museu Sisi permite conhecer detalhes da vida da imperatriz, que aos 16 anos mudou-se da região da Baviera, na Alemanha, direto para o Palácio de Hofburg, para casar-se com  Francisco José I, Imperador da Áustria

Sisi teve uma infância e adolescência muito ativa, ligada a natureza, praticando esportes como equitação e pesca, com seus irmãos. Por isso, a rígida rotina de obrigações imposta pelo cargo de imperatriz, os mexericos da corte, o distanciamento de sua família e a dificuldade de tomar decisões em relação aos próprios filhos, resultou em uma mulher infeliz, depressiva e com problemas psicossomáticos. 

Obcecada com seu peso, Sisi era focada em atividades físicas e dietas, chegando ao ponto de tornar-se anoréxica. 

Mesmo assim, um dos lazeres principais da imperatriz eram as viagens. 

Outros fatores trágicos marcaram uma vida conturbada: perdeu sua primogênita quando a mesma completou dois anos, seu único filho cometeu suicídio e ela mesma, tragicamente morreu assassinada. 
Não à toa, a vida da imperatriz era constante motivo de interesse dos súditos. Uma mulher de muitas facetas, Sisi até virou tema de filmes.

Por isso, a oportunidade de visitar o museu com objetos pessoais, vestimentas, retratos de Sisi, é uma oportunidade única para um conhecimento mais profundo desta fantástica personagem. 

Apartamentos Imperiais

Não menos interessante é a visita aos Apartamento Imperiais, quando você pode ver de perto como viveu o Ducado dos Habsburgo, por aproximadamente 600 anos. 

Os cômodos, decorados e mobiliados com o esplendor da monarquia de Habsburgo, permitem entender a rotina, as relações sociais e as personalidades daqueles que viveram e trabalharam ali. 

O tour permite passar por salas, dormitórios, toaletes e escritórios. Tudo preservado com mínimos detalhes, desde mobiliário a objetos pessoais.   

Saímos do Palácio de Hofburg com uma forte chuva, por isso compramos um guarda-chuva. 

Guarda-chuva em viagem

Você deve estar se perguntando se levamos um guarda-chuva na mala. Como viajantes leves, não levamos uma guarda-chuva na mala e adquirimos apenas caso seja necessário, durante a viagem. 

Nesta viagem, que durou aproximadamente 43 dias, passamos quase um mês sem precisar de um guarda-chuva, visitando diversas regiões da Europa
Palácio Schönbrunn

Palácio Schönbrunn

Desde o centro de Viena pegamos o metro e um bonde em direção ao Palácio Schönbrunn, que fica mais afastado do centro da cidade. Mas nada difícil de ir, já que o transporte público chega lá facilmente. 

Com a chuva torrencial, a visita aos Jardins do Palácio, nosso foco principal em Schönbrunn, foi frustrada. 

Por isso, demos uma breve olhada no palácio, para guardar na memória o elegante prédio que servia de residência de verão para a realeza. E aproveitamos para almoçar no Residenz Café, um dos melhores lugares para comer, dentro da área do palácio, de acordo com pesquisa prévia. 
Residenz Cafe: cardápio com pratos que agradavam a realeza

Residenz Cafe

O ambiente é elegante, o cardápio variado e, para o alto custo de vida em Viena, os preços são razoáveis. 

Aqui você pode experimentar alguns pratos que agradavam a realeza. 

Ao fim do almoço, que aconteceu quase na hora do jantar, pegamos um bonde de volta para o hotel.

Ficaram atrações por conhecer. Mas repito muitas vezes: é impossível conhecer uma capital do porte de Viena em poucos dias de visita. O que conhecemos foi uma dádiva maravilhosa. Por isso, só temos a agradecer. Se um dia formos agraciados com a possibilidade de voltar a Viena, tentaremos ver o que restou e repetir outros programas!
Após quatro noites em Viena, em Hauptbahnhof pegamos um trem com destino a Veneza
Entre outras atrações, ficou por ver o Parque do Prater, muito bem recomendado. 

No dia seguinte, seguimos viagem de trem com destino a Veneza, Itália.

A moeda utilizada na Áustria é o Euro.

Se você tiver alguma dúvida ou dica que possa ajudar outros viajantes, deixe lá nos comentários. Teremos o maior prazer em responder o que estiver ao nosso alcance!


Leia o livro Vivendo Bem com o que Você tem, de minha autoria, e aprenda como administrar as finanças, de modo que sobre uma parte de suas economias para você poder viajar.

Vivendo bem com o que Você tem não vai torná-lo um indivíduo rico, mas vai ajudá-lo a administrar suas finanças no dia a dia, controlando suas despesas nos momentos de bonança ou escassez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou desta matéria? Compartilhe aqui sua experiência com outros leitores!