segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Vale a pena voltar a Paris?

Uma viagem feita em Maio de 2019

Paris é uma cidade grande, muito bonita, cheia de cultura, charme e com uma gastronomia fantástica. Por isso, mesmo que não seja a sua cidade predileta, se você tiver chance, volte! Digo isso, pois tem gente que não tem Paris como lugar preferido. Nós por exemplo! Mas é uma cidade que vale muito a pena visitar.
Hotel Plaza Athenee, nos arredores de Champs Elysees - tradicional charme da cidade
Na última estadia da equipe do Viajando com Puny na cidade aproveitamos para fazer programas que não tivemos tempo em viagens anteriores. 

Já conhecendo um pouco da cidade, como você pode conferir aqui, tratamos de usar a Cidade Luz como base durante uma semana, partindo de lá para alguns bate-voltas, como:


Usar a cidade como base para bate-voltas é uma boa forma de rever e conhecer mais de Paris
A grande vantagem disso foi poder curtir a noite e a gastronomia na charmosa cidade, em nossos retornos. E também entre uma viagem e outra, aproveitamos para revisitar e conhecer um pouquinho mais de Paris. 

Encontros na região de Ópera

Por coincidência, um casal de primos estava na cidade no dia de nossa chegada (era último dia deles em Paris). 

Aproveitamos que não conhecíamos a Ópera Garnier e marcamos de nos encontrar ali no bairro, na Creperia Midi 12 - para comer uns crepes e galletes de trigo sarraceno, acompanhados de Cidre Breton - galletes e cidre são típicos da região da Bretanha, no noroeste da França. Consumidos na região desde o Século XIII.
Encontros são sempre deliciosos
Imagine que delícia poder conjugar três eventos tão singulares: encontrar primos, apreciar a Ópera Garnier e entorno e degustar maravilhas típicas da culinária francesa. 
Delícias típicas da região da Bretanha
Quero dizer que viagem, como tudo na vida, deve ser aproveitada nos mínimos detalhes, com a delicadeza de segurar o tempo, não deixando que ele escorra por entre os dedos. 

Palácio Garnier

O Palácio Garnier ou Ópera Garnier, um edifício esplendoroso com arquitetura do Séc. XIX, teve sua construção finalizada em 1875. Uma obra do arquiteto Charles Garnier, vencedor de um concurso aberto por Napoleão Bonaparte, para a construção do teatro - originalmente para abrigar a Ópera de Paris. Atualmente o balé de Paris é a apresentação principal do Palácio. E a Biblioteca do Palácio Garnier, que fica nos fundos do teatro. 
Esplendor nos detalhes
Além de poder ir a um espetáculo no Ópera Garnier, é possível também fazer a visita guiada no seu interior. Mas a possibilidade de admirar o edifício na parte externa já é um encanto para os olhos.

Não visitamos o interior do Palácio desta vez, mais um motivo para retornar a Paris!
O arquiteto Charles Garnier
O Palácio Garnier está localizado na Praça Garnier. O metrô para chegar lá é o Ópera. 

Galleries La Fayette Haussmann

Além do entorno elegante na área da Praça Garnier, a poucos metros do Palácio fica a primeira loja das Galerias La Fayette Haussmann. A original, que vale a pena visitar, mesmo que você não seja um consumidor fanático. 

Aberta desde 1893 no mesmo endereço. O antigo prédio que abrigava a loja no início, sofreu algumas ampliações ao longo dos anos. Em 1912 foi reinaugurada após uma dramática reforma, com uma grande cerimônia. E em 1932 foi novamente renovada, desta vez imprimindo o estilo Art Déco. 
Galleries La Fayette Haussmann: vale a pena a visita, mesmo que você não seja um consumidor fanático
A cúpula da loja, em estilo neo-bizantino, tem 43 metros de altura.

Saint-Germain-des-Prés, Jardins de Luxemburgo e Saint-Michel (clique aqui)

No Domingo aproveitamos para rever alguns lugares e conhecer outros, aproveitando o dia ensolarado. Contamos nesta matéria, o roteiro de uma gostosa caminhada desde a Igreja Saint-Germain-des-prés até a Place Saint Michel, nas proximidades de Notre Dame. Claro que aproveitamos o Domingo para ir ao parque, passando pelos Jardins de Luxemburgo (local que merece voltar sempre).
Jardins de Luxemburgo: sempre um ótimo programa
Outros programas

Jantamos nos arredores do Quartier Latin, na Rue de La Harpe, mais para ter a chance de curtir a animação noturna e ver a Notre Dame, após o trágico incêndio sofrido neste ano. 

Demos uma esticada até Champs-Elysées para rever o charme das lojas elegantes e espiar de longe a Torre Eiffel e Arcos do Triunfo. Só para lembrar que realmente estávamos em Paris!

Hospedagem em Pere Lachaise

Nos hospedamos desta vez no ibis Pere Lachaise, no bairro de mesmo nome. Um hotel simples, padrão ibis, e o destaque ficou por conta do café da manhã que, além de servir os tradicionais croissants frescos, típicos de alguns hotéis da rede Accor, tinha Madeleines quentinhas, deliciosas para comer com café! Em quase todas as matérias que escrevo aqui no Viajando com Puny, sobre Paris, tenho que de algum modo destacar gulodices da gastronomia francesa!
Bons restaurantes em Pere Lachaise. Gastronomia francesa sempre em destaque
O melhor turismo do bairro é o famoso Cemitério de Pere Lachaise, que declinamos a visita por razões pessoais. Mas fomos na Feira de Pere Lachaise, com vendas de horti-fruti, roupas e outros, que acontece em dias determinados no bairro. Uma feira de rua bem tradicional. Não vimos comidas prontas. Boa mesmo para os locais que fazem compras no dia a dia. Pere Lachaise é um bairro tranquilo, com mercadinhos, pequeno comércio e alguns bons restaurantes.


Leia muitas outras matérias acerca de Paris, clicando aqui!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O que você achou desta matéria? Compartilhe aqui sua experiência com outros leitores!